Helmet – Betty

Depois do sucesso enorme que os nova iorquinos do Helmet tiveram com seu segundo álbum, Meantime, graças, principalmente, ao sucesso estrondoso de Unsung, que se tornou um dos clássicos do rock alternativo do começo da década de 90, o grupo se foca agora no seu próximo lançamento, Betty, que foi esperado com grande expectativa por fãs e críticos.

O grupo era formado pelo guitarrista e vocalista Page Hamilton, pelo baterista John Stanier, pelo baixista Henry Bogdan e pelo guitarrista Rob Echeverria, o último sendo novo no grupo e também sendo a primeira de várias mudanças na formação que o Helmet ainda viria a enfrentar ao longo dos anos.

Assim que saiu, o álbum não foi dos mais aceitos, tanto a crítica quanto os fãs caíram em cima, apesar destes terem mudado drasticamente sua posição com o passar do tempo, hoje considerando-o um álbum tão espetacular quanto Meantime.

Helmet sempre teve algo que mais chamou atenção em seu som, os riffs de Page Hamilton, e Betty seria possivelmente o melhor lugar para demonstrar isso, “Wilma’s Rainbow“, “Milquetoast” e “Rollo” servem de bons exemplos. Mas esses riffs não seriam nada sem o groove que todos os outros instrumentos trabalham para estabelecer, fazendo com que em certos momentos os riffs te empurrem no chão e começem a deslizar sua cara sobre ele.

Aqui compensa destacar também a falta de crédito que os outros instrumentistas do grupo sempre ganharam, apesar de notável talento. O baixo de Henry Bogdan além de ser um grande contribuinte do peso da maioria das faixas, também guia completamente faixas como “Biscuits For Smut“, usando slide no baixo e sobrepondo todos os demais instrumentos em um som alto e impactante, “Milquetoast“, sendo o instrumento de destaque nos trechos lentos e destruindo nos riffs esmagadores da faixa, e também guiando o groove puríssimo da experimental “Silver Hawaiian“. Já John Stanier poderia ser premiado com o título de baterista mais injustiçado dos anos 90, sua habilidade é mais do que evidente por faixas do álbum inteiro, “Street Crab“, “Wilma’s Rainbow“, “Vaccination, “I Know“e “Speechless” já podem te dar uma boa noção do que estou falando.

Betty é o primeiro álbum aonde o Helmet decidiu sair um pouco do convencional e ingressar em aventuras experimentais, as vezes usando um pouco de elementos de jazz e blues. Isso fica extremamente evidente em “Beautiful Love“, que começa bem lenta e relaxante até o baixo e seguidamente todos os intrumentos decidirem destruir o que chegar por perto, em “The Silver Hawaiian“, uma faixa estranhíssima aonde um vocal grave e debochado é guiado por puro funk e groove do baixo de Bogdan, e também na caipira “Sam Hell“.

Claro que não podemos esquecer de mencionar os vocais de Page, que, sinceramente, sempre passou muito longe de ser um vocalista de peso, e vale mencionar que ele deu uma acalmada considerável em relação ao Meantime, agora é acompanhado de um vocal mais agressivo apenas nas faixas “I Know” e “Tic“.

Betty pode até ser cansativo na primeira ouvida, muitos vão sentir que ouve uma decaída da primeira pra segunda metade do álbum (o que eu até concordo em certa parte), mas com o tempo ele vai acabar te conquistado. É como a mulher da capa, a princípio tem algumas qualidades expostas, mas só depois de uma relação mais íntima que você vai entender direito tudo que ela tem a oferecer….(Acho que eles jamais teriam pensado numa interpretação tão tosca e absurda)

Helmet – Betty (1994)
Gênero: Groove Metal/ Alternative Metal/ Post-Hardcore

01 – Wilma’s Rainbow – 3:54
02 – I Know – 3:41
03 – Biscuits For Smut – 2:53
04 – Milquetoast – 3:54
05 – Tic – 3:40
06 – Rollo – 2:38
07 – Street Crab – 3:32
08 – Clean – 2:26
09 – Vaccination – 3:04
10 – Beautiful Love – 2:03
11 – Speechless – 2:59
12 – The Silver Hawaiian – 2:08
13 – Overrated – 2:40
14 – Sam Hell – 2:09

Destaques:
Wilma’s Rainbow, I Know, Biscuits For Smut, Milquetoast

DOWNLOAD

Tudo By LA

“Qualquer arquivo protegido por algum tipo de lei deve permanecer, no máximo, 24 horas em seu computador. Eles podem ser baixados apenas para teste, devendo o usuário apagá-lo ou comprá-lo após 24 horas. – A aquisição desses arquivos pela Internet é de única e exclusiva responsabilidade do usuário. Os donos, administradores e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção do blog não têm responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar e para que irá utilizá-los”.

Publicado em Helmet | Marcado com , , | 1 Comentário

Fugazi – Repeater + 3 Songs

Não demorou um semestre sequer desde o lançamento da coletânea 13 Songs para que o Fugazi lançasse o EP 3 Songs, pouco depois o aclamadíssimo Repeater e acabasse juntando ambos em Repeater + 3 Songs.

O grupo fez muito bem em não juntar ambos chamando-os apenas de “Repeater”. Os dois são de fato lançamentos bem diferentes entre si, 3 Songs tem um som que mais rebusca os dois primeiros EPs da banda, ainda com Picciotto sem uma guitarra em mãos (Ok, ele até faz uma coisa ou outra no EP Margin Walker, mas é algo extremamente tímido).

3 Songs é constituído pela enérgica Song #1, que é uma grande pedida dos shows ao vivo do grupo, aonde Guy aproveita-se da pequena participação na música (apenas vocais secundários) para dançar loucamente pelo palco (Olha só), pela primeira faixa instrumental do grupo, Joe #1, marcada principalmente por um baixo presente e um ritmo repetitivo e pela curtíssima Break-In, com total destaque para os vocais de Picciotto que canta loucamente e rapidamente pela faixa mais punk do álbum.

Agora, a atração principal, Repeater. É aqui que o Fugazi cria vários dos fatores dos quais a banda vai ficar conhecida pelo resto da carreira. Guy Picciotto começou a tocar guitarra ao lado de Ian MacKaye, mas não no estilo tradicional no qual um é guitarra base e o outro é guitarra solo, no Fugazi esse conceito é totalmente abatido. O trabalho das duas guitarras distorcidas é incrível, não é preciso nem rpestar atenção no álbum para perceber as guitarras barulhentas e problemáticas que circulam faixas como Repeater, Sieve-Fisted Find, Styrofoam, Shut The Door

Claro que nada disso seria possível se Brendan Canty e Joe Lally não fizessem um trabalho incrível no fundo para deixar que as guitarras circulem à vontade. A habilidade de ambos fica extremamente evidente na faixa instrumental Brendan #1, ente os grandes momentos de Joe Lally ainda podemos citar Turnover, Merchandise, Sieve-Fisted Find, Repeater, que apesar de serem geralmente simples, marcam uma presença essencial e evidente em todas as faixas. Canty prova ser um puta de um baterista, pois além de segurar, sempre consegue apresentar destaque, Merchandise, Turnover, Styrofoam falam por si só.

A alternância de vocalistas novamente faz um papel importante, os vocais altos e enfáticos de Ian MacKaye, faz com que trechos como “We owe you nothing, You have no control” (Merchandise), “We are all bigots so full of hatred, We release our poisons” (Styrofoam) soem como verdadeiros mantras, e ainda que o refrão de Shut The Door soe absurdamente intenso.

Picciotto por outro lado deixa faixas como Turnover, Blueprint, Reprovisional (Nova versão de Provisional de 13 Songs) e Two Beats Off ao mesmo tempo relaxantes e intensas. E seu vocal com grande enfoque emocional e rasgante marca bem “That’s the price to pay for hoping every slip, not a slide” (Reprovisional), “please let me get my hands on it” (Sieve-Fisted Find), “Maybe together we can wipe that smile off your face” (Blueprint).

O álbum vendeu mais de 200.000 cópias, um número impressionante para uma banda que é contra o marketing, e acredita apenas no merchandising de boca, nada de videoclipes, camisetas, propagandas, entrevistas para grandes revistas, nem nada. O grupo chamou a atenção de diversas grandes gravadoras da época, todas recusadas, se tem algo que a banda defende é a sua integridade, recusou com o argumento de que a Dischord Records (Gravadora na qual ian MacKaye é um dos donos) já estava distribuindo os seus LPs bem o bastante. Toda essa filosofia de vida, ao lado dos shows e álbuns por preços absurdamente baixos de modo que qualquer fã do grupo, não importa a classe social, poderia comprar (álbuns: 10$, shows: 5$, com pequenas alterações), acabou se tornando a grande marca do Fugazi, até mais do que a própria música.

Repeater acabou provando ser um dos melhores álbuns da história da música, fazendo parte de inúmeras listas, e influenciando inúmeras bandas de rock alternativo. Um álbum tão bem acabado, com grandes momentos do começo ao fim, em que cada faixa parece um verdadeiro clássico conseguiu atingir um extenso público apesar de não ter sido auxiliado por nenhum grande fator de marketing, mostrando que a boa música pode sim atingir o ouvido da humanidade sem a ajuda da imprensa para isso.

Fugazi – Repeater + 3 Songs (1990)
Gênero: Post-Hardcore

01 – Turnover – 4:15
02 – Repeater – 3:01
03 – Brendan #1 – 2:32
04 – Merchandise – 2:59
05 – Blueprint – 3:53
06 – Sieve-Fisted Find – 3:24
07 – Greed – 1:47
08 – Two Beats Off – 3:28
09 – Styrofoam – 2:35
10 – Reprovisional – 2:17
11 – Shut The Door – 4:59
12 – Song #1 – 2:54
13 – Joe #1 – 3:02
14 – Break-In – 1:32

Destaques:

Turnover, Repeater, Merchandise, Blueprint, Sieve-Fisted Find, Styrofoam, Shut The Door

Download

Tudo By LA

“Qualquer arquivo protegido por algum tipo de lei deve permanecer, no máximo, 24 horas em seu computador. Eles podem ser baixados apenas para teste, devendo o usuário apagá-lo ou comprá-lo após 24 horas. – A aquisição desses arquivos pela Internet é de única e exclusiva responsabilidade do usuário. Os donos, administradores e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção do blog não têm responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar e para que irá utilizá-los”.

Publicado em Fugazi | Marcado com | 1 Comentário

Fugazi – 13 Songs

Apesar de ser uma junção dos dois primeiros EPs, 13 Songs é constantemente e erroneamente considerado o primeiro álbum do Fugazi. Mas dá pra entender, afinal, não foram os dois EPs (Fugazi de 1988 e Margin Walker de 1989) que se tornaram um dos maiores clássicos do rock underground, foi 13 Songs.

Após pequenas mudanças a banda se consolidou com Ian MacKaye (vocal/guitarra), já conhecido por ter feito parte de várias bandas de hardcore do começo dos anos 80, dentre elas a importantíssima Minor Threat que, sem querer, foi o berço do movimento ‘straight edge’, Joe Lally (baixo) e Brendan Canty (bateria), já conhecido por ter feito parte do Rites Of Spring que é constantemente considerado o pai do emo. Após alguns shows, Guy Picciotto, companheiro de banda de Brendan Canty no Rites Of Spring, também entrou para o grupo, inicialmente apenas como backing vocal, acabou se tornando vocalista de boa parte das músicas, e no EP Margin Walker, ainda que timidamente, chegaria a tocar guitarra.

A banda é marcada por várias questões éticas e ideológicas que deixarei para reviews posteriores. No momento basta saber que Ian MacKaye é um dos fundadores da Dischord Records, que é a gravadora do grupo.

Em 13 Songs já dá pra ter uma boa ideia do que a banda é, muito mais do que uma simples banda de hardcore, é evidente uma tendência do grupo de se distanciar do usual. Não é comum no hardcore que o baixo, mesmo que simples e repetitivo, possua tanto destaque nas músicas, como ocorre em Waiting Room, Suggestion e And The Same.

E diferente do que ocorre em várias bandas de hardcore e punk, as músicas não soam iguais, de fato soam da mesma banda, mas as faixas se diferenciam evidentemente uma das outras, a simples troca de vocalistas já faz isso muito bem, o vocal grave e berrado de Ian MacKaye, perfeito para a plateia gritar em conjunto, se contrapõe ao vocal as vezes mais calmo, as vezes soando como se estivesse queimando até a morte, de Guy Picciotto. Não é difícil distinguir os dois. A diferença dos vocais fica muito clara em músicas em que ambos cantam, com um deles fazendo um papel mais secundário, como ocorre por toda Waiting Room, nos “It Spreads” de MacKaye em Give Me The Cure e nos raros momentos que Picciotto dá as caras em Suggestion, em especial quando ambos repetem “What It Is?”.

MacKaye mostra-se no álbum um excelente letrista, criando letras com trechos impactantes e abordando temas bem diferentes, estupro em Suggestion, suicídio em Margin Walker, estar preso em Waiting Room, AIDS em Give Me The Cure, vício em drogas em Glue Man….

Passando pela hardcore Margin Walker, pela extremamente intensa Glue Man, pelas crescentes Give Me The Cure e Promises e por refrões que você já imagina a público cantando junto do vocalista nos shows ao vivo como And The Same e Bad Mouth, 13 Songs acaba se consolidando com uma quantidade absurda de grandes momentos. Não é de se admirar que o álbum marcou bastante a cena underground e a banda passou a servir de influência para dezenas, centenas, milhares para outras.

Waiting Room acabou se tornando o maior clássico da banda, e um dos maiores clássicos do hardcore, underground, rock alternativo; a música já ganhou covers de Rancid, Red Hot Chili Peppers, The Wildhearts, Billy Talent e tudo quanto é banda punk/alternativa, mas nenhum jamais chega sequer à sombra da original.

E pensar que a banda nem havia mostrado ainda tudo do que era capaz…

Fugazi – 13 Songs (1989)
Gênero: Post-Hardcore

01 – Waiting Room – 2:54
02 – Bulldog Front – 2:53
03 – Bad Mouth – 2:36
04 – Burning – 2:39
05 – Give Me The Cure – 2:59
06 – Suggestion – 4:44
07 – Glue Man – 4:21
08 – Margin Walker – 2:30
09 – And The Same – 3:27
10 – Burning Too – 2:41
11 – Provisional – 2:17
12 – Lockdown – 2:10
13 – Promises – 4:01

Destaques:
Waiting Room, Give Me The Cure, Suggestion, Margin Walker, Promises

DOWNLOAD

Tudo By LA

“Qualquer arquivo protegido por algum tipo de lei deve permanecer, no máximo, 24 horas em seu computador. Eles podem ser baixados apenas para teste, devendo o usuário apagá-lo ou comprá-lo após 24 horas. – A aquisição desses arquivos pela Internet é de única e exclusiva responsabilidade do usuário. Os donos, administradores e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção do blog não têm responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar e para que irá utilizá-los”.

Publicado em Fugazi | Marcado com | Deixe um comentário

The Hellacopters – By The Grace Of God

Poucas bandas dos últimos anos conseguem ter uma sonoridade retrô sem soar como cópia de alguma banda que já deixou sua marca pelo mundo. E uma dessas sem dúvidas é o Hellacopters.

Depois de chamar a atenção da suécia-europa-mundo gradativamente nos seus últimos álbuns, o grupo formado por Nicke Andersson (guitarra, vocais), Robert Dahlqvist (guitarra), Kenny Håkansson (baixo), Robert Eriksson (bateria) e Anders Lindström (piano, órgão) foram ao estúdio para gravar o seu álbum mais conhecido e elogiado, By The Grace Of God.

A banda tem a sonoridade de uma banda de hard rock clássica, com riffs ora simples, ora um pouco mais trabalhados, mas sempre marcantes, é impossível fazer uma lista séria dos melhores riffs da década passada sem citar a música que dá título ao álbum.

Entre outros aspectos evidentes de ”By The Grace Of God”, podemos destacar os solos de guitarra por todas as faixas (que fica até chato de citar, já que citar o álbum todo é besteira), a bateria totalmente inquieta e os refrões extremamente marcantes (Destaque para “Carry Me Home“, “All New Low“, “All I’ve Got“, “On Time” e “Go Easy Now“).

E engana-se quem acha que o álbum é só um monte de músicas agitadas e iguais. Várias faixas possuem um vocal bem melódico. O teclado de Lindström ajuda intensamente na atmosfera das músicas, tanto na animadíssima “Better Than You“, como na bela “Rainy Days Revisited“, e em vários refrões como os de “All New Low“, “U.Y.F.S.“, “All I’ve Got” e “Go Easy Now“.

Com esse álbum o grupo se consolidou como um fenômeno na Suécia e é considerado uma das bandas mais importantes que já nasceu naquela terra. O Hellacopters conseguiu ser influente não apenas lá, como no mundo inteiro. Vários fãs de rock clássico adotaram o grupo como uma grande influência.

Poucos álbuns da última década soam tanto como um clássico como By The Grace Of God, fazendo desse um álbum indispensável para calar a boca de qualquer viado que diz que o rock morreu nos anos 90.

The Hellacopters – By The Grace Of God (2002)
Gênero: Hard Rock/Garage Rock

01 – By The Grace Of God – 3:16
02 – All New Low – 3:28
03 – Down On The Freestreet – 2:42
04 – Better Than You – 2:45
05 – Carry Me Home – 3:44
06 – Rainy Days Revisited – 3:42
07 – It’s Good But It Just Ain’t Right – 2:56
08 – U.Y.F.S. – 3:59
09 – On Time – 3:11
10 – All I’ve Got – 2:45
11 – Go Easy Now – 2:55
12 – The Exorcist – 2:40
13 – Pride – 3:31
14 – Red Light – 2:40 [Bonus Track]

Destaques:
By The Grace Of God, All New Low, Better Than You, Carry Me Home, All I’ve Got, Go Easy Now

DOWNLOAD

Tudo By LA

“Qualquer arquivo protegido por algum tipo de lei deve permanecer, no máximo, 24 horas em seu computador. Eles podem ser baixados apenas para teste, devendo o usuário apagá-lo ou comprá-lo após 24 horas. – A aquisição desses arquivos pela Internet é de única e exclusiva responsabilidade do usuário. Os donos, administradores e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção do blog não têm responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar e para que irá utilizá-los”.

Publicado em The Hellacopters | Marcado com , | Deixe um comentário

Queens of the Stone Age – Songs for the Deaf (2002)

Queens of the Stone Age é uma banda estadounidense de stoner rock, abusam de riffs marcantes e bastante substâncias ilícitas em suas composições.

É o terceiro albúm da banda, e um dos seus mais famosos trabalhos, com canções que se tornaram clássicos do década de 00, tais como “No one Knows” e “Go with the Flow”, ambas com uma levada pesada e riffs viciantes.

A banda é composta por Josh Homme, Nick Olivieri, Mark Lanegan e a grande participação do Dave Grohl (se você não conhece é porque você não vive ou tem mau gosto musical), cuja a mesma ajudou a banda a ganhar uma grande fama, pois a maioria dos fãs de Nirvana começaram a também gostar de QOTSA.

(eu sei que a review ficou uma grande merda, porém, foi com amor)

Queens of the Stone Age – Songs for the Deaf (2002)

  1. You Think I Ain’t Worth A Dollar, But I Feel Like A Millionaire
  2. No One Knows
  3. First It Giveth
  4. A Song For The Dead
  5. The Sky Is Fallin’
  6. Six Shooter
  7. Hangin’ Tree
  8. Go With the Flow
  9. Gonna Leave You
  10. Do It Again
  11. God Is In The Radio
  12. Another Love Song
  13. A Song For The Deaf
  14. Mosquito Song
  15. Everybody’s Gonna Be Happy

Destaques
No One Knows; I Gonna Leave You; Do it Again, Go With the Flow

DOWNLOAD

All by Rick

“Qualquer arquivo protegido por algum tipo de lei deve permanecer, no máximo, 24 horas em seu computador. Eles podem ser baixados apenas para teste, devendo o usuário apagá-lo ou comprá-lo após 24 horas. – A aquisição desses arquivos pela Internet é de única e exclusiva responsabilidade do usuário. Os donos, administradores e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção do blog não têm responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar e para que irá utilizá-los”.

Publicado em Queens of the Stone Age | Marcado com , | Deixe um comentário

Les Claypool And The Holy Mackerel – Highball With The Devil

Postado originalmente na 4lmusic em 12/04/2009.

Les Claypool and The Holy Mackerel é o segundo projeto paralelo da carreira de Claypool, sendo lançado em 1996. Este trabalho sucede os feitos do baixista fora do Primus, após lançar “Riddles are Abound Tonight” com o Sausage, conseguindo se superar bastante em “Highball With The Devil“.

Nesse projeto o baixista do Primus além de tocar contra-baixo e cantar, também produz o álbum, além de suas já típicas ilustrações de álbuns bem divertidas.

O “The Holy Mackerel” banda que sustenta Claypool nesse álbum é: Adam Gates (Vocais), Jay Lane (Bateria), Joe Gore (Guitarra), e Henry Rollins (“Narrador”).

Assim como é de costume em toda a discografia do Primus, no Les Claypool and The Holy Mackerel, o baixo e a bateria possuem muito mais importância nas músicas do que as Guitarra e Vocais, quebrando as tendências comuns, indo contra o habitual do rock.

O CD contém também com a participação dos músicos:
* Charlie Hunter (Guitarra na música “Me And Chuck”)
* Mark “Mirv” Haggard (Guitarra nas músicas “El Sobrante Fortnight” e “Hendershot”)

The Awakening“, cover da banda funk/soul The Reddings se destaca dentre as demais faixas do álbum pela sua incrível e variada linha de baixo cheias de slaps, detentora de diversos solos virtuosos com muito groove, já existente na versão original da música, logo, não havendo muito da mão do criativo Claypool, méritos ao bom baixista Dexter Redding.

Les Claypool And The Holy Mackerel – Highball With The Devil (1996)
Gênero: Experimental/ Avant-Garde/ Rock Alternativo/ Funk Metal

01 – Running the Gauntlet – 1:36
02 – Holy Mackerel – 3:52
03 – Highball with the Devil – 3:59
04 – Hendershot – 2:26
05 – Calling Kyle – 3:53
06 – Rancor – 1:21
07 – Cohibas Esplenditos – 3:12
08 – Delicate Tendrils – 4:59
09 – The Awakening – 3:34
10 – Precipitation – 3:56
11 – George E. Porge – 2:31
12 – El Sobrante Fortnight – 3:38
13 – Granny’s Little Yard Gnome – 3:01
14 – Me and Chuck – 2:59
15 – Carolina Rig – 3:00

Destaques
Holy Mackerel, Hendershot, The Awakening, El Sobrante Fortnight, Me And Chuck

DOWNLOAD

Post e Review por MA
Upload por LA

“Qualquer arquivo protegido por algum tipo de lei deve permanecer, no máximo, 24 horas em seu computador. Eles podem ser baixados apenas para teste, devendo o usuário apagá-lo ou comprá-lo após 24 horas. – A aquisição desses arquivos pela Internet é de única e exclusiva responsabilidade do usuário. Os donos, administradores e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção do blog não têm responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar e para que irá utilizá-los”.

Publicado em Les Claypool And The Holy Mackerel | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Green Day – 1,039/Smoothed Out Slappy Hours

Formado em 1987, o Green Day constituído pelos amigos de infância Billie Joe Armstrong (vocais, guitarra) e Mike Dirnt (baixo, vocais de apoio) e também o então baterista Al Sobrante, lançou alguns EPs e um curto LP antes de junta-los em uma coletânea, muitas vezes erroneamente creditada como o primeiro álbum de inéditas da banda, 1,039/Smoothed Out Slappy Hours.

Fazem parte da coletânea o LP “39/Smooth” (Faixas 1-10) e os EPs “Slappy” (Faixas 11-14) e “1,000 Hours” (Faixas 15-18) e ainda a faixa “I Want To Be Alone” que fora incluída em uma coletânea de várias bandas locais.

Quem diria que apenas 3 anos antes de estourarem no mundo como uma das bandas mais populares da década o Green Day ainda estaria sobre a pequena gravadora Lookout Records, tocando apenas nas redondezas e lançando um álbum sem quase nenhuma repercussão.

1,039/Smoothed Slappy Hours mostra um Green Day mais imaturo e mais punk. O álbum é marcado em sua grande maioria por faixas agitadas, com apenas “Rest“, “Disappearing Boy” e “Knowledge“, cover da banda Operation Ivy, marcando um ritmo mais lento.

Se tem uma coisa que esse álbum faz muito bem é assustar pessoas desavisadas que estão acostumadas com o novo Green Day. Não que o disco seja pesado, violento…. não, não, o álbum possui uma atmosfera meio punk bobo, leve. Mas a produção de baixa qualidade e os riffs pesados como “Only Of You“, “409 In Your Coffeemaker”  e “At The Library” ou os rápidos como “Road To Acceptance” e “1,000 Hours” e até mesmo o marcante com uma pegada Iron Maiden (sim), “I Want To Be Alone” só não impressionam mais os fãs ou os odiadores da época nova da banda do que os solos de guitarra, simples, mas muito bem trabalhados, várias vezes a marcarem de uma forma sensacional faixas como “Only Of You“, “The Judge’s Daughter“, “Knowledge“, “Why Do You Want Him?“, “Dry Ice“, dentre outras…

Mas claro, ainda é Green Day, o que pode ser notado pelo simples mas sensacional baixo de Mike Dirnt em faixas como “16“, “Road To Acceptance” e “I Want To Be Alone” e pela habilidade do Green Day de fazer refrões memoráveis e melódicos como “Don’t Leave Me“, “I Was There“, “Going To Pasalacqua“, “1,000 Hours“, “Dry Ice“, “The One I Want” e “I Want To Be Alone“.

Mas o maior destaque do álbum sem dúvida é a capacidade dele de ser uma espécie de trilha sonora para a adolescência, por mais simples e imaturas que as letras possam ser, isso acaba trazendo muito mais um fator positivo do que negativo, já que você consegue ver que são letras sinceras, de alguém que acabou de passar por esses fatos. Isso acaba fazendo com que vários ouvintes se identifiquem com várias das letras como as citadas abaixo:

Don’t have the courage to come up to you
My chance is looking a bit grey
” (At the Library)
.
Looking back upon my life; And the places that I’ve been
Pictures, faces, girls I’ve loved; I try to remember when
” (I Was There)
.
I see her and she’s with him; I turn and then I’m gone” (Disappearing Boy)
.
Picture sounds; Of moving insects so surreal
Lay around; Looks like I found something new”
(Green Day)
.
I wish my youth would forever last
Why are these times so unfair?
” (16)
.
I always waste my time just wondering; What the next man thinks of me
I’ll never do exactly what I want; and I’ll sculpt my life for your acceptance

(Road To Acceptance)
.
The gleam in your eyes; It troubles my brain
Will I see it again?
” (Rest)
.
I’m having troubles with control; And it’s all because of you
Today I kept on falling down; I thought it was the street
So I look down at my shoes; They were on the wrong feet
” (The Judge’s Daughter)
.
I’m understanding now that; We are only friends
To this day I’m asking why I still think about you
” (Paper Lanterns)
.
Passionate love to be all night long
We’ll never break, as one too strong
” (1,000 Hours)
.
I’ll send a letter to that girl; Asking her to be my own
But my pen is writing wrong; So I’ll say it in a song
” (Dry Ice)
.
I know that we’re worlds apart; But I just don’t seem to care
These feelings in my heart; Only with you I want to share
” (Only Of You)
.
Please don’t think I’m crazy; I don’t want you to understand
My mind is growing hazy; To hell with your helping hand
Why don’t you just leave me alone; This conflict is my own
” (I Want To Be Alone)

Acho que deu pra ter uma boa noção? O álbum fala desde assuntos como viver para ser aceito na sociedade em “Road To Acceptance“, o ódio pelo padrasto que deixou a mãe em “Why Do You Want Him?“, a sensação de usar drogas em “Green Day“, a necessidade de privacidade e de fazer as coisas por si mesmo em “I Want To Be Alone” e acima de tudo, amor correspondido e muitas vezes não, sendo representado em quase todas as faixas do álbum, afinal o que mais poderia ser o tema principal de um disco que serve para retratar a adolescência da melhor maneira possível?

Green Day – 1,039/Smoothed Out Slappy Hours
Gênero: Punk rock

01 – At The Library – 2:26
02 – Don’t Leave Me – 2:39
03 – I Was There – 3:36
04 – Disappearing Boy – 2:51
05 – Green Day – 3:28
06 – Going To Pasalacqua – 3:30
07 – 16 – 3:24
08 – Road To Acceptance – 3:35
09 – Rest – 3:05
10 – The Judge’s Daughter – 2:32
11 – Paper Lanterns – 2:25
12 – Why Do You Want Him? – 2:32
13 – 409 In Your Coffeemaker – 2:54
14 – Knowledge – 2:20
15 – 1,000 Hours – 2:26
16 – Dry Ice – 3:44
17 – Only Of You – 2:45
18 – The One I Want – 3:01
19 – I Want To Be Alone – 3:09

Destaques:
Don’t Leave Me, I Was There, Going To Pasalacqua, Road To Acceptance, The Judge’s Daughter, 1,000 Hours, Only Of You, I Want To Be Alone
(Difícil pracarai ter chegado nessas 8, a lista original tinha 13)

DOWNLOAD

Tudo By LA

“Qualquer arquivo protegido por algum tipo de lei deve permanecer, no máximo, 24 horas em seu computador. Eles podem ser baixados apenas para teste, devendo o usuário apagá-lo ou comprá-lo após 24 horas. – A aquisição desses arquivos pela Internet é de única e exclusiva responsabilidade do usuário. Os donos, administradores e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção do blog não têm responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar e para que irá utilizá-los”.

Publicado em Green Day | Marcado com | Deixe um comentário