Living Colour – The Chair In The Doorway

cover

Postado originalmente na music4l em 16/09/2009

O Living Colour encerrou suas atividades em 1995. Em 2000 eles já estavam de volta, 3 anos depois lançaram o fraco Collideøscope, quem diria que 6 anos depois o Living Colour lançaria um álbum tão excelente e animado quanto The Chair In The Doorway, surpreendendo vários fãs da banda.

O álbum ainda tem poucos dias de vida, menos de uma semana. Mas já conseguiu provar ser um dos melhores álbuns lançados neste ano. Animado, solos de guitarra excelentes e muitas vezes enormes, um baixo extremamente presente na grande maioria das músicas, uma bateria complexa em grande parte das faixas e um vocal alterando bastante entre partes mais calmas e berros.

Faixa a Faixa

Burned Bridges começa com uma batida reta, uma guitarra totalmente desfocada, e um baixo excelente que vai guiando a faixa, com vocais de Corey Glover no fundo que aos poucos vão adquirindo mais importância e foco na música. Algumas viradas de bateria, o vocal aumentando e o baixo ainda excelente, até que um solo de guitarra extenso empanturrado de efeitos entra em cena aos poucos. A música consegue ter um jeito psicodélico e pesado mesmo sem uma guitarra presente.

The Chair, essa já começa mostrando que é uma das músicas mais pesadas do CD. O riff pesado dá lugar a uma guitarra aguda com vários efeitos no refrão da música.Um vocal mais nervoso marca bastante a faixa. É uma faixa curta, e que deixa a desejar.

DecaDance, Um riff pesado, bem grave e com bastante groove, um refrão nervoso marcam a faixa. Um dos maiores destaques de DecaDance é o seu solo de guitarra fulminante que já chega quebrando tudo, o excelente guitarrista Vernon Reid ainda faz umas embromadas no final da música.

Young Man é até o momento a faixa mais funkeada do álbum, uma batida animada, um riff excelente cheio de groove, um baixo bastante presente, e o vocal com uma pegada bastante funkeada. Mas cabe a bateria o posto de grande destaque da música.

Method é a faixa mais estranha, experimental, louca e indigerível de todo o álbum. Um jeitão bem trip-hop, com destaque ao vocalista Corey Glover. Os demais instrumentos são meio dispersos, e a bateria tem uma batida que fica se repetindo ao decorrer da faixa inteira. Todas as faixas que vem posteriormente à Method estão entre as melhores do álbum.

Behind The Sun, uma das poucas faixas do CD que tem cara de hit. A música é marcada por um riffzinho excelente com um aspecto bem feliz e um vocal bem limpo, no refrão tudo fica mais pesado, e Corey alterna pra um vocal mais suave, mas berrando. No final ainda rolam uns gritinhos melódicos que permanecem até o fim da música. Sem dúvidas uma das melhores faixas do álbum.

Bless Those (Little Annie’s Prayer), é um cover e PQP que cover! a música original é da artista, Little Annie, bastante desconhecida. A original possui cerca de 3 minutos, o cover do Living Colour aos 5 minutos e meio. E é como um cover deve ser, não apenas uma imitação da faixa original e sim uma adaptação da música original ao estilo da banda que a coveriza. Agora, falando da música em si. No começo destaque total para o baixo, e depois de uma passagem com uns slaps, a bateria entra em cena, fica em um ritmo mais animado, outra passagem de slap chega e Corey entra em cena. Uma guitarra meio dispersa, uma bateria reta, um vocal calmo e um baixo excelente vão marcando a música, e como sempre a passagem de slaps vai ditando a música, depois de mais uma tudo fica bem mais pesado agora no refrão. A mesma coisa ocorre duas vezes, até que depois do segundo refrão Vernon Reid decide estrapolar e faz um solo de guitarra enorme e excelente, que acaba na passagem de slaps no baixo e a música volta a ficar com aquele clima calmo de antes. A construção se repete, e novamente depois do refrão Vernon Reid decide mostrar o grande guitarrista que é e faz outro solo que novamente termina quando ocorre a passagem de slaps no baixo. Vernon Reid até tentou, mas pelo menos para mim o grande destaque da faixa é o baixista Doug Wimbish.

Hard Times começa com um ritmo bem leve com total destaque ao vocalista. Rapidamente entra no refrão com um ritmo mais pesado, agora a parte calma já não é mais tão calma, e rapidamente já tem um segundo refrão ,só que extendido, e posteriormente já chega um solo de guitarra com uma excelente bateria no segundo plano. O solo cobre quase a faixa toda e quando ele acaba já engata um refrão na sequência e a faixa termina com uma pequena enrolação.

That’s What You Taught Me é uma faixa marcada por várias viradas de bateria, um ritmo mais calmo, um vocal bem melódico, além de uma guitarra belíssima e aguda e um baixo bastante presente. Vernon Reid começa a estrapolar no finzinho da música, mas nada em excesso. Divide os holofotes com Behind The Sun quando o assunto é música do álbum que tem aspecto de hit.

Out Of My Mind, chegamos na música mais pesada do álbum. Um riff bem pesado e grooveado e um vocal disperso marcam o começo da música. Aos poucos Corey vai soltando berros graves enquanto o ritmo vai mudando no refrão. Depois que uma rápida parte mais calma aparece, Corey volta mais louco do que nunca soltando berros ao maior estilo Mike Patton do Faith No More. E o ritmo pesado da música se estabiliza até o final.

Not Tomorrow, uma faixa calma, lenta, relaxante e extremamente psicodélica, para acabar com o clima pesado deixado pela faixa anterior. Essa curta faixa supostamente fecha o álbum…supostamente…

Asshole (Hidden Track): Uma faixa animada, marcada especialmente pela letra engraçada que conta a história de um sujeito que foi abandonar a namorada para curtir a vida e acabou na pior.

Claro que “The Chair In The Doorway” não é nenhum Vivid, mas não deixa de ser um CD excelente que vai conseguir conquistar os fãs do grupo. Ainda é preferível começar a discografia do Living Colour pelos clássicos, mas isso não quer dizer que seja uma má ideia começar por esse álbum também.

Living Colour – The Chair In The Doorway (2009)
Gênero: Funk Metal/ Hard Rock

01 – Burned Bridges – 3:39
02 – The Chair – 2:10
03 – DecaDance – 3:25
04 – Young Man – 2:53
05 – Method – 4:23
06 – Behind The Sun – 3:41
07 – Bless Those (Little Annie’s Prayer) – 5:28
08 – Hard Times – 2:49
09 – That’s What You Taught Me – 3:59
10 – Out Of My Mind – 3:44
11 – Not Tomorrow – 3:01
12 – Asshole (Hidden Track) – 2:51

Destaques:
Young Man, Behind The Sun, Bless Those (Little Annie’s Prayer), Out Of My Mind

DOWNLOAD

Review, Upload e Post por LA

“Qualquer arquivo protegido por algum tipo de lei deve permanecer, no máximo, 24 horas em seu computador. Eles podem ser baixados apenas para teste, devendo o usuário apagá-lo ou comprá-lo após 24 horas. – A aquisição desses arquivos pela internet é de única e exclusiva responsabilidade do usuário. Os donos, administradores e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção do blog não tem responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar e para que irá utilizá-los.”

Sobre lavemmenamora

Aham, tou sabendo..
Esse post foi publicado em Living Colour e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s